Membros do PCC que mataram policial militar a tiros em bar vão a júri

Crime ocorreu na madrugada do dia 10 de fevereiro de 2019, em Maracaju

| KEROLYN ARAúJO / CAMPO GRANDE NEWS


Passageiro da motocicleta desceu sem tirar o capacete e seguiu diretamente na direção do PM. (Foto: MaracajuSpeed)

Quatro homens, membros do PCC (Primeiro Comando da Capital), vão a júri pelo assassinato do policial militar Juciel Rocha Professor, executado com cinco tiros na madrugada do dia 10 de fevereiro de 2019 em Maracaju, cidade distante a 160 quilômetros de Campo Grande. A decisão é do  juiz Marco Antônio Montagnana Morais, da 1ª Vara de Maracaju.

O militar estava com a namorada em um bar na região central de Maracaju, quando dois homens em uma motocicleta chegaram. O passageiro desceu e atirou pelo menos cinco vezes contra a vítima, que morreu na hora. Os disparos atingiram a cabeça e as costas do policial.

Durante as investigações, a polícia chegou até Fabiano Alves Ferreira, Eduardo Rocha Cavanha, Patrique Cáceres do Carmo e Maicon Barbosa Belo, membros da facção criminosa e apontados como autores do crime. Um quinto envolvido foi morto em confronto com o Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Segundo apurado durante o processo, o homicídio foi praticado por vingança, já que o policial trabalhava na linha de frente contra a facção. O MPE/MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) apontou ainda que cada integrante do grupo teve uma função específica no plano e execução do militar.

Os quatro réus seguem presos na PED (Penitenciária Estadual de Dourados). Eles serão julgados por homicídio e por integrarem facção criminosa. A data ainda não foi definida.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE