Após 75 dias Nova Zelândia diz que eliminou coronavírus e suspende restrições

Os controles de fronteira no país continuam funcionando para manter prevenção ao coronavírus

| MIDIAMAX


Anuncio foi feito durante coletiva de imprensa pela primeira-ministra do país, Jacinda Ardern. (Reprodução)

Os 75 dias de restrição, com sete semanas de quarentena rígida, terminaram na Nova Zelândia. Segundo a Reuters, o pais suspendeu todas as restrições sociais e econômicas nesta segunda-feira (8) e está livre do coronavírus (covid-19).

A Nova Zelândia é um dos primeiros países do mundo a voltar à normalidade pré-pandêmica, mas os controles de fronteira devem continuar.  Estão autorizados a retomar o funcionamento sem regras de distanciamento os eventos públicos e privados, indústrias de varejo e hospitalidade e todo o transporte

“Embora o trabalho não esteja concluído, não há como negar que este é um marco… Obrigada, Nova Zelândia. Estamos confiantes de que eliminamos a transmissão do vírus na Nova Zelândia por enquanto, mas a eliminação não é acaso, é um esforço sustentado”, disse a primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, em coletiva de imprensa.

Corpo de idoso com suspeita de coronavírus desaparece de hospital no Rio de Janeiro

Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

Japão pode dar 300 milhões de dólares para projeto contra coronavírus

Líderes mundiais falam de vacina e coronavírus em evento para levantar US$ 7,4 bi

Ainda conforme a Reuters, as cinco milhões de pessoas da Nova Zelândia estão emergindo da pandemia, enquanto grandes economias como Brasil, Reino Unido, Índia e Estados Unidos continuam a lidar com a disseminação do vírus.

Durante os dias de restrições no país, cerca de sete semanas foram dequarentena rígida, na qual a maioria das empresas foi fechada e todos, exceto trabalhadores essenciais, tiveram que ficar em casa.

O país registrou 1.154 infecções e 22 mortes por Covid-19 desde que o vírus chegou no final de fevereiro.

Ardern prometeu eliminar, não apenas conter, o vírus, o que significava interromper a transmissão por duas semanas após o último caso conhecido receber alta. Por enquanto, todos que entrarem no país continuarão sendo testados e colocados em quarentena.

Mesmo assim, o governo precisará mostrar que pode reviver a economia, que deverá afundar em recessão. Os partidos de oposição criticaram a decisão de Ardern de manter as restrições por tanto tempo.

“Precisamos avançar com cautela aqui. Ninguém quer prejudicar os ganhos que a Nova Zelândia obteve”, disse a premiê.


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE