Em meio a Covid-19, temporada de queimadas aumenta risco de doenças respiratórias

Cenário é preocupante, uma vez que Estado já registra aumento de 85% no número de focos

| MIDIAMAX


Fumaça das queimadas é prejudicial ao sistema respiratório (Jose Cruz/Agência Brasil)

Em tempo de pandemia de coronavírus, a Covid-19, a fumaça gerada pelas queimadas – que acontecem neste período de tempo seco – pode elevar o risco de doenças respiratórias. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do dia 1º de janeiro a 28 de maio deste ano, houve aumento de 85% no foco de queimadas em Mato Grosso do Sul em relação ao mesmo período do ano passado.

O relatório do Inpe indica que foram registrados 2.155 focos de queimada no período contra 1.168 em 2019, o que representa alarmante aumento de 85%. O resultado coloca nosso Estado na segunda posição do país, atrás apenas do Mato Grosso, que já teve 4.565 registros no ano.

O número é considerado muito alto, se comparado com anos anteriores. Em 2018, por exemplo, foram apenas 448 casos no período. Em 2017, foram 770 e, em 2016, 566.

Casal encontra barata em sobá durante jantar em restaurante japonês

Proporção da população com anticorpos do novo coronavírus aumenta 53%

Um dia após Bolsonaro instigar apoiadores, grupo invade hospital no Rio e quebra computadores

VÍDEO: como este apaixonado homenageou a esposa com uma empilhadeira em MS

A preocupação este ano é que a combinação de tempo seco e fumaça é prejudicial às vias respiratórias, local onde o coronavírus se instala. O cenário é preocupante, uma vez que devemos ter, em junho, o pico da doença.

Mesmo as queimadas em zonas rurais – mais afastadas da cidade – podem oferecer risco. A fumaça tem compostos tóxicos como monóxido de carbono, dióxido de carbono e óxidos de nitrogênio, além de materiais particulados, com alta capacidade de dispersão – o que faz com que a fuligem possa chegar a locais distantes dos focos de incêndio.

Em Campo Grande, somente este ano, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) aplicou multa a 75 proprietários de terrenos baldios por queimada. As infrações variam de R$ 2.414,50 a R$ 9.658,00. Neste período, o Corpo de Bombeiros combateu 928 incêndios em vegetação.

Com este diagnóstico, o Comitê Municipal de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Urbanos de Campo Grande (COMIF) – composto por 17 órgãos e entidades – se reuniu esta semana. Foi apresentado um plano com ações a serem desenvolvidas no contexto da campanha “Diga não às queimadas urbanas em 2020'.


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE