Governo de MS sanciona registro de vítimas de violência doméstica que recebem benefícios sociais

Foi vetado trecho que sugere troca de informações sigilosas com a Justiça e a Delegacia da Mulher

| MIDIAMAX


(Foto: reprodução)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) sancionou hoje (30) a lei que cria um registro de informações sobre violência doméstica sofrida por mulheres cadastradas nos programas sociais do Mato Grosso do Sul. O documento foi publicado no Diário Oficial desta quinta-feira. Foi vetado, no entanto, o artigo que previa que tal registro teria como base as informações oficiais obtidas junto à Delegacia da Mulher e por meio de certidão criminal obtida no site do Poder Judiciário, “em nome do agressor'.

A legislação parcialmente vetada visa a prevenção e a proteção dos dados contra seu uso indevido e garante sigilo de informações, como o endereço da mulher vítima da violência.

Alvo de procedimentos administrativos, táxi aérea de MS pede suspensão temporária na Anac

Pela primeira vez na pandemia, HRMS tem 100% de leitos UTI ocupados

Ao vetar parcialmente a lei, Azambuja argumentou que o compartilhamento de dados da polícia e da Justiça, previsto no artigo 2º da legislação aprovada na Assembleia Legislativa do MS (Alems) “esbarra em impedimentos de ordem constitucional e legal', uma vez que o Poder Judiciário não pode ser compelido pelo Poder Executivo Estadual a fornecer certidão criminal em nome do agressor sob pena de afronta ao princípio da separação de Poderes.

Ele explica que a obtenção de dados cadastrais é permitida para a promoção de estudos e pesquisas, estatísticas e outras informações relevantes para a sistematização de dados, a serem unificados nacionalmente, e para a avaliação periódica dos resultados das políticas eventualmente adotadas.

Além disso, o documento esclarece que o Código de Processo Penal preconiza que a autoridade policial assegurará o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade. Logo, nos atestados de antecedentes que lhe forem solicitados, a autoridade policial não poderá mencionar quaisquer anotações referentes à instauração de inquérito contra os requerentes.

Após ganhar suposta promoção de restaurante no Instagram, mulher tem número clonado

Casal é preso por morte de engenheiro encontrado carbonizado na fronteira

Mais 2 cidades viram alvo de procedimentos sobre propaganda da Covid-19 em ano eleitoral


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE