Fátima Bernardes se revolta com discursos de ódio na web: “Destrói vidas”

A apresentadora do Encontro denunciou ameaças sofridas por sua filha de 15 anos e fez um longo discurso de repúdio contra as ações

| METRóPOLES/JULIANA BARBOSA


Fátima Bernardes se mostrou indignada com ataques virtuais que causam marcas permanentes nas vítimas. Em entrevista com Djamila Ribeiro, a apresentadora do Encontro denunciou ameaças sofridas por sua filha de 15 anos e fez um longo discurso de repúdio contra as ações.

Além de comentar que o ato pode “destruir vidas”, Fátima também lembrou que as vítimas dessas ações agressivas podem tirar suas próprias vidas: “As pessoas não aguentam a pressão, ela causa uma alteração na vida e você começa a se questionar sobre o que você está fazendo ou falando, que possa estar gerando aquele tipo de reação despropositada”.

Durante o quadro Giro dos Famosos, a apresentadora do matinal revelou que tinha o hábito na infância, mas que já perdeu

Em meio à pandemia do Covid-19, Fátima deu o bom exemplo de escolher um cartório com esse sistema

A atriz contou que decidiu tirar um tempo para si neste momento de isolamento social

Em entrevista rara, a apresentadora ainda foi questionada se sente saudades da bancada do telejornal

Fátima Bernardes se mostrou indignada com discursos de ódio na webReprodução/TVGlobo

Ela apresenta o Encontro com Fátima, na GloboRede Globo/João Cotta

Ela é mãe de três filhos, fruto do relacionamento com William BonnerReprodução/Instagram

Ela disse que a filha de 15 anos recebeu ataques nas redes sociaisReprodução

Para exemplificar sua fala, a apresentadora usou o que aconteceu com o youtuber Felipe Neto, vítima de um ataque na porta de sua casa nesta semana. “Não há mais nenhum tipo de limite para a discordância que não esteja beirando essa questão do ódio”, reforçou a titular do Encontro. “As pessoas estão muito contaminadas por ódio e não percebem o quanto uma atitude nas redes sociais pode prejudicar”.

“Essa força tem surtido um pouco de efeito, porque algumas contas são bloqueadas, retiradas. Talvez seja mesmo a hora de as pessoas não só fazerem a denúncia à polícia, mas partirem para uma responsabilização também do local onde essas mensagens são veiculadas”, afirmou Fátima.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE