Paraguai não acha provas contra Ronaldinho e ex-jogador pode sair livre do país

Mesmo assim, ex-jogador teria que pagar uma contribuição de pelo menos R$ 489 mil ao país vizinho

| MIDIAMAX


Ronaldinho em prisão no Paraguai (Reprodução)

Na sexta-feira (07), a Promotoria Geral do Paraguai afirmou que não encontrou elementos suficientes para comprovar que o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho participou diretamente no planejamento de documentos irregulares. Os documentos foram usados pelo ex-jogador e o irmão, Roberto de Assis, para entrar no país vizinho, em 4 de março.

Assim, sem as comprovações, os dois ficam livres da responsabilidade de ter domínio e decisão sobre o uso dos documentos, de acordo requerimento conclusivo de promotores. Caso o juiz aceite o argumento, Ronaldinho e o irmão poderão voltar ao Brasil.

Quem estuda o pedido da promotoria paraguaia é o juiz Gustavo Amarilla. Mesmo assim, o Ministério Público do Paraguai solicitou que Ronaldinho pague cerca de R$ 489.359,25 para reparar os danos causados pelo uso de documentos irregulares. Além disso, o ex-jogador deverá morar definitivamente no Brasil e compareça a cada três meses, por um ano, às autoridades judiciais brasileiras.

Em primeira entrevista desde prisão no Paraguai, Ronaldinho Gaúcho fala em surpresa

Maradona defende Ronaldinho Gaúcho: ‘Não é um delinquente; seu erro é ser ídolo’

De acordo com a Promotoria do Paraguai, Ronaldinho Gaúcho e Roberto de Assis estavam com documentos brasileiros quando do Brasil. Porém, quando chegaram ao Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi, na cidade de Luque, apresentaram passaportes paraguaios falsos.

Desde o começo do caso, a defesa dos irmãos Assis Moreira alegou inocência. O argumento é que eles não sabiam que os documentos usados eram falsos. Os dois cumpriram prisão preventiva em Assunção e desde 7 de abril estão em prisão domiciliar em um hotel da capital do Paraguai.

A defesa de Ronaldinho destaca que na época, o ex-jogador tinha ido ao país vizinho para apoiar um programa de assistência social a crianças do país.

Preso há quase um mês, Ronaldinho Gaúcho joga futevôlei com demais detentos no Paraguai

‘Com naturalização, Ronaldinho não seria mais brasileiro’, diz diretora paraguaia

Perícia nos telefones de Ronaldinho e Assis vai investigar ligação com quadrilha



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE