Bolsa fecha em alta de 1,51% e avança 0,61% na semana

O índice da B3 terminou aos 102.142,93 pontos

| MIDIAMAX


Imagem ilustrativa. (Foto: reprodução/Agência Brasil)

O Ibovespa fechou nesta sexta-feira (28), em alta de 1,51%, aos 102.142,93 pontos, coletando leve ganho de 0,61% na semana e, agora, não distante de zerar as perdas do mês (-0,75%) na sessão que falta para encerrar agosto, na segunda-feira. No ano, cede 11,68%.

Assim, pela primeira vez desde o intervalo entre as três semanas de 29 de junho a 17 de julho, o Ibovespa conseguiu nesta sexta-feira encadear uma sequência positiva de ao menos duas semanas, embora o avanço agora seja mais modesto, vindo de ganho de apenas 0,17% na semana passada.

Dólar fecha com maior queda em quase duas semanas

Bolsa fecha em leve alta de 0,05% e avança 0,17% na semana

O giro financeiro totalizou R$ 23,2 bilhões, fraco como o observado ao longo da maior parte da semana, à exceção de quarta-feira, a R$ 29,3 bilhões, quando o Ibovespa fechou em baixa de 1,46%, pressionado pela rejeição do presidente Bolsonaro à proposta inicial para o Renda Brasil apresentada pela equipe econômica.

No encerramento de uma semana tensa, em que a permanência do ministro Paulo Guedes e a situação fiscal do País continuaram em foco, a indicação de que o martelo sobre o Renda Brasil será batido mais para frente e de que o auxílio emergencial deve ser concedido até o fim do ano, com valor reduzido a R$ 300, contribuíram para ajustar os ativos, em especial o dólar, em baixa de 2,92%, a R$ 5,4152 no fechamento desta sexta, ainda em alta de 3,80% no mês.

Para Márcio Gomes, analista da Necton, o Fed contribuiu para salvar a semana, mas o Ibovespa deve permanecer travado na faixa de 99 mil a 102,8 mil pontos, tendendo a retomar fluxo comprador quando conseguir chegar aos 103 mil, preâmbulo para que possa voltar a testar a resistência dos 105,5 mil pontos. “Aos 103 mil os vendidos ficarão ‘stopados’ e teremos fluxo de compras, mas é preciso um ‘driver’ para que isso aconteça. Até que se tenha mais clareza quanto ao fiscal e a permanência do Guedes, a volatilidade vai persistir, com o mercado especulando em cima do rumor', acrescenta o analista.

Nesta sexta-feira, destaque para Cyrela (+7,39%), na ponta do Ibovespa, após a Cury, construtora controlada pela empresa, ter protocolado IPO que pode movimentar até R$ 1,7 bilhão. “O cenário de juros baixos é muito favorável ao setor imobiliário como um todo', aponta Gomes. Logo após Cyrela, Qualicorp subiu nesta sexta 5,60% e Ecorodovias, 5,43%. No lado oposto do Ibovespa, IRB cedeu nesta sexta 1,57%, seguido por Marfrig (-1,40%) e Braskem (-1,08%).

Com situação fiscal no radar, Bolsa fecha em baixa de 1,62%

Bolsa quase neutraliza perdas do dia, aos 102.117,79 pts, com foco em Bolsonaro

Bolsa fecha na mínima do dia, em queda de 1,23%, com Nova York

Nesta última sessão, os ganhos se espalharam por empresas e setores, em movimento oposto ao observado no meio da semana, quando a aversão ao risco fiscal prevalecia. Assim, ações de commodities (Petrobras ON +2,03% e Vale ON +0,51%), bancos (Bradesco PN +2,04% e BB ON +1,95%), siderurgia (Usiminas +2,97% e CSN +2,01%) e utilities (Eletrobras ON +3,97%) caminharam na mesma direção nesta sexta-feira (28).


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE