Pandemia cria novos hábitos e compras pela internet disparam em MS

Com maior variedade e ofertas, os prazos de entregas acabam sendo apenas um detalhe para os consumidores

| MIDIAMAX


Foto: Leonardo de França, Midiamax

A comodidade de comprar e receber na porta de casa calhou aos moradores durante os dias de pandemia em Mato Grosso do Sul. A praticidade do e-commerce, compras pela internet, bombou e segundo pesquisa, somente no Centro-Oeste entre março e agosto as vendas cresceram 98,9%.

Um dos maiores fatores para atrair os consumidores é encontrar valores mais em conta e não precisar sair de casa, medida necessária durante a pandemia da Covid-19, o novo coronavírus. Essas duas características foram o que fez com que a estudante Giovana Nascimento comprasse ainda mais no e-commerce.

Parrerito, do Trio Parada Dura, morre aos 67 anos após complicações do coronavírus

PRF de MS que fez resgates em Brumadinho vai para os EUA para treinamento

“Eu já tinha esse costume de comprar pela internet, principalmente cosméticos. Mas com a pandemia, começou a ter muita oferta de vários seguimentos e passei a comprar até livros, objetos de decoração e utensílios', disse a jovem. Giovana diz que apesar de precisar esperar até o produto chegar, o período de aguardo vale a pena devido às promoções.

“A única parte ruim é precisar esperar uns bons dias até que chegue, mas no final é até mais vantajoso porque encontramos promoções que mesmo pagando o frete, sai mais barato do que comprar em uma loja física. E a expectativa de esperar o produto deixa a compra mais emocionante', comentou a estudante.

Comprar pela internet passou a ser uma nova realidade até para aqueles que nem imaginavam o que era um e-commerce. A revendedora de produtos de beleza, Maria Margarete Arruda, de 51 anos, já aciona o filho para comprar em sites quando se interessa por alguma coisa.

“No começo do coronavírus eu queria um jogo de assadeiras que deveria vender lá para o Centro, mas o pessoal não queria deixar eu ir ou não queriam ir por lá para poder comprar. Aí meu filho me chamou no computador e eu escolhi um jogo [de assadeiras] que até era mais barato do que eu imaginava. Agora quando preciso de alguma coisa já peço para ele olhar para mim. Sou revendedora [de cosméticos] também e já estou aprendendo a eu mesma fazer os pedidos', disse.

De capataz a fonoaudiólogo, Funtrab oferece 355 vagas em Campo Grande nesta segunda

Em nova derrota judicial, Governo de MS é obrigado a deixar Parque dos Poderes acessível

Segunda-feira tem previsão de tempo seco e calorão chega aos 40ºC em MS

Com o aumento da demanda no e-commerce, os prazos de entrega também aumentaram. O estudo da MCC-ENET mostrou que 69% dos consumidores notaram prazos mais elásticos, mas 57% consideram aceitável esse aumento. Somente 11% dos consumidores deixaram de comprar online devido ao prazo de entrega.

Giovana disse que não teve nenhum problema com as entregas dos produtos adquiridos até agora, nem com a entrega e nem com os produtos em si. “Já teve produto que demorou mais que o previsto para chegar, mas veio certinho. Quando a gente vê ’20 dias úteis’ nas estimativa, assusta, mas faz parte, né. A demanda do mercado deve estar enorme mesmo', disse.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE