Em quatro anos, patrimônio de candidatos a prefeito de Ivinhema salta mais de 700%

Apenas um postulante declarou ter menos posses

| MIDIAMAX


(Imagem: Reprodução)

Ivinhema, cidade no sudoeste de Mato Grosso do Sul, tem cinco candidatos à prefeitura em 2020. Nos últimos quatro anos, a maioria deles viu seu patrimônio crescer.

Um deles, Rogério Câmara (MDB), estreia na política. Ele é irmão do deputado estadual Renato Câmara, também emedebista. Renato seguiu os passos do pai: Nelito Câmara foi prefeito da cidade e depois chegou à Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul).

Os dados foram levantados pelo Jornal Midiamax com base nas declarações de bens apresentadas à Justiça Eleitoral e disponibilizadas no sistema DivulgaCand Contas (Divulgação de Candidaturas e Contas), do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Com caminhada proibida, candidato em Maracaju denuncia aglomeração de rival com presença de ministra

Coligação tenta derrubar pesquisas eleitorais em Bonito, mas Justiça rejeita pedido

Adir da Silva (PCdoB) concorreu a uma das cadeiras da Câmara em 2016, mas não foi eleito. Ele declarou R$ 18 mil em bens, o que representa apenas dois carros.

Agora, seu patrimônio saltou 705,55%. Silva informou neste ano, além dos veículos, ter uma casa avaliada em R$ 130 mil. Somados os três bens, acumula R$ 145 mil.

Eleitos em 2016, dois vereadores ampliaram seus patrimônios, mas em um ritmo menor. Juliano Ferro (DEM) obteve mais 36,29%. Quatro anos atrás, ele declarou R$ 620 mil em bens, desde prédio residencial, uma empresa de revenda de veículos e uma chácara.

Neste ano, ele informou ter R$ 845 mil em bens, que inclui uma casa, dois prédios comerciais e quatro carros. O salário dele como parlamentar é de R$ 7,5 mil.

Covid-19: testes devem ter papel maior nas viagens internacionais

Juíza ameaça multar correligionários de partidos por desobedecer regras de biossegurança em Água…

A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante

Já Estefan Lopes (Patriota) acumulou 17,61%. Quatro anos atrás, o vereador declarou R$ 487,5 mil, que inclui uma casa, um carro, dinheiro em conta poupança e sociedade em um escritório de advocacia.

Agora, o político tem R$ 573,3 mil. Nesse período, ele comprou mais um carro e juntou R$ 60 mil em espécie.

Já Gel Faccina (PT) não teve tanto êxito. Dois anos atrás, quando disputou uma das oito cadeiras sul-mato-grossenses na Câmara dos Deputados, informou ter R$ 117,6 mil, entre carro, parte de imóveis rurais e aplicações bancárias. Em 2020, declarou R$ 108,4 mil, o que representa menos 7,84%. 

Rogério Câmara declarou R$ 1,2 milhão. Em seu patrimônio, há imóveis rurais e urbanos, veículos, sociedade em empresa e aplicações em poupança.


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE