Dois meses após fim da estiagem, Rio Paraguai continua com nível abaixo do normal

Situação é considerada crítica em Ladário, Corumbá e Porto Murtinho

| MIDIAMAX


Rio Paraguai teve uma das piores secas dos últimos 50 anos em 2020. (Foto: ABC Color)

Mesmo dois meses após o fim da maior estiagem dos últimos anos no Pantanal sul-mato-grossense, o nível do Rio Paraguai continua baixo, ainda longe do considerado normal.

O principal rio da região pantaneira chegou a medir -32cm na régua da Marinha de Ladário este ano, entrando para a história como um dos menores índices já registrados. A medição mais recente mostra que o nível estava em 04 cm no local. A menor medição da história foi feita em 1964, quando a régua mediu -64cm.

Conforme boletim divulgado pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), houve pouca evolução neste mês de dezembro, que está com chuvas abaixo do esperado. No dia 1º, o ponto de Ladário media 06cm.

Ocupação de leitos UTI chega a 98% e restam apenas 10 vagas em Campo Grande

Em assembleia, enfermeiros da Santa Casa paralisam atividades até receberem 13º

De acordo com o Imasul, o nível considerado normal para o Rio Paraguai seria 256cm na régua de Ladário. Outros pontos de medição do Rio Paraguai continuam preocupantes. É o caso de Porto Esperança – distrito de Corumbá, onde o nível está em -55cm, apesar do ideal ser de pelo menos 249cm. Por lá, a medição chegou a marcar -93cm.

Já em Porto Murtinho, a régua marcou 145cm. Para chegar ao nível normal, o rio deve atingir 423cm.

Segundo Juan Carlos Muñoz, especialista hídrico ouvido pelo jornal paraguaio ABC Color, é necessário chover na bacia alta do rio, no Pantanal. “Lá o nível da água tem que ultrapassar 4 m no Pantanal, aí começa o efeito do derramamento na bacia do rio Paraguai', explicou.

Aulas da TV Reme são pausadas e retornam apenas no dia 7 de janeiro

Após recorde de mortes em MS, Defesa Civil faz apelo: ‘não destrua seu Natal’

Em novo recorde da pandemia, MS tem 31 mortes e 1.342 casos de coronavírus em 24 horas

Ele indicou que as subidas que se registram no rio Paraguai estão atualmente apenas em áreas específicas. Isso como resultado das chuvas a cada semana e não são suficientes para melhorar o comércio fluvial.

“No setor [fluvial] temos um otimismo conservador e prudente, mas são necessárias fortes chuvas na região de Cáceres [MT], onde o nível da água é de 0,90', disse.


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE