No “Setembro Verde”, Casa Militar contabiliza 20 operações de transporte de órgãos

| PORTAL MS


Foto: Divulgação

 Verdadeiras operações militares, com direito a uso de avião a qualquer hora do dia ou da noite, têm salvado vidas em Mato Grosso do Sul e em outros estados brasileiros. Executados pela Casa Militar do Governo do Estado, em parceria com a Central Estadual de Transplantes, os voos têm a missão de transportar órgãos vivos fora do corpo humano, fazendo com que eles cheguem ao destino final e possam ser transplantados em pacientes antes do fim do tempo de isquemia – período em que o órgão sobrevive fora do organismo.   

No “Setembro Verde”, mês dedicado às campanhas de doação de órgãos e tecidos, a Casa Militar contabiliza 20 operações dentro e fora de MS. O número considera os transportes feitos desde dezembro de 2018, quando a parceria entre a Casa Militar e a Central Estadual de Transplantes foi firmada. “Estamos prontos para as missões sempre que somos acionados”, afirma o coronel Nelson, chefe da Casa Militar. As operações contam ainda com suporte do Corpo de Bombeiros e da Organização de Procura de Órgãos (OPO), da Santa Casa de Campo Grande.

Com 20 anos de existência, a Central de Transplantes de MS conseguiu potencializar o trabalho com o transporte aéreo. “Em 2018 começaram as doações no interior e não tínhamos como buscar. Daí surgiu a parceria com a Casa Militar”, lembra a coordenadora da Central, Claire Miozzo. Com o avanço das estruturas de saúde em Dourados e Três Lagoas, as cidades passaram a diagnosticar mortes encefálicas e ficaram aptas a retirar órgãos para doação. Dessa forma, aeronaves usadas no transporte de autoridades passaram a fazer viagens humanitárias, levando órgãos. 

Ao todo, a Casa Militar do Governo do Estado possui cinco aeronaves aptas para o transporte de órgãos. Em cada missão viajam cinco pessoas: três tripulantes, um médico e um enfermeiro.

 

Equipes viajam de dia e de noite


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE