Ferramenta criada em MS livrou 1,2 mil de golpes na Black Friday

Site apontou páginas falsas criadas para roubar dinheiro de internautas

| CORREIO DO ESTADO / RICARDO CAMPOS JR.


Layout da plataforma criada por startup em MS - Reprodução

Ferramenta criada por uma startup em Campo Grande livrou 1,2 mil internautas de caírem em golpes durante a Black Friday. Além de comparar preços e valores de frete, o Black ou Fraude também indica quando o cliente acessou uma página falsa montada por criminosos para roubar dinheiro das vítimas.

O layout dos sites fajutos é igual ao original, mas os preços dos produtos são bem menores para servir como chamariz. Acreditando que estão aderindo a uma ótima oferta, as pessoas informam os dados do cartão de crédito e acabam enganadas.

A plataforma Black ou Fraude é de graça e continua acessível até o fim da semana, já que muitos e-commerces estendem as promoções.

Co-criador da empresa que desenvolveu o aplicativo, Alessandro Fontes explica que o site também mostra quando as lojas tentam enganar os consumidores elevando os preços dos produtos uma ou duas semanas antes e depois dizem que deram descontos astronômicos.

“Ele puxa os dados daquele mesmo item nos últimos 60 dias. O usuário cola o link do produto. Então vamos fazer uma análise com os dados anteriores. Temos preços registrados em todo o tempo e conseguimos comparar”.

Outra funcionalidade é que é possível checar o valor do frete e comparar com a concorrência. “Às vezes na loja que a pessoa está o produto está até mais em conta, porém com o frete ele ficaria mais caro do que se comprasse em outro lugar”, explica Alessandro.

Somente nos dias 28 e 29 de novembro, auge da Black Friday, o “Black ou Fraude” recebeu 100 mil visitas, segundo o empresário.

FERRAMENTA

Quando o site sair do ar, voltará a ativa no lugar dele outra plataforma desenvolvida pela startup chamado Reduza. Também de forma gratuita, os internautas têm a opção de usar centenas de cupons de desconto do banco de dados da página para garantir produtos com preços menores.

A pessoa cola o link do produto e a busca é automática. Alessandro esclarece que nem sempre a pessoa vai conseguir baixar o preço, mas “a cada duas buscas, a gente consegue um preço menor para uma”, completa.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE