Viúva lembra um ano da morte de Ricardo Boechat: “Insubstituível”

Veruska Seibel compartilhou fotos de família e fez um depoimento emocionado sobre a personalidade do jornalista

| METRóPOLES/JACQUELINE SARAIVA


A doce Veruska compartilhou várias fotos de família e um texto emocionando para lembrar o primeiro ano da morte de Ricardo Boechat, morto em uma tragédia de helicóptero em São Paulo. No Instagram, Veruska Seibel falou da admiração, do respeito e amor pelo marido, que deixou também duas filhas, Valentina e Catarina, hoje com 15 e 12 anos de idade.

“Um ano sem ele e minha admiração, meu respeito e meu amor só crescem. Melhor pai que eu poderia ter escolhido para as minhas filhas, ser humano mais admirável e generoso que já conheci, jornalista insubstituível, marido que eu amava profundamente”, disse.

A doce Veruska compartilhou várias fotos de família para lembrar um ano da morte de Ricardo BoechatReprodução/Instagram

Ela também fez um texto emocionando Reprodução/Instagram

Ricardo Boechat morreu em uma tragédia de helicóptero em São PauloReprodução/Instagram

Veruska Seibel falou da admiração, do respeito e amor pelo maridoReprodução/Instagram

Além da mulher, Boechat deixou também duas filhas, Valentina e Catarina, hoje com 15 e 12 anos de idadeReprodução/Instagram

'Um ano sem ele e minha admiração, meu respeito e meu amor só crescem', disse a apresentadoraReprodução/Instagram

A apresentadora Veruska Seibel é viúva de Ricardo BoechatReprodução/Instagram

Boechat morreu em 11 de fevereiro de 2019Reprodução/Instagram

No texto, ela também fala sobre o clichê de “viver cada segundo como se fosse o último. “Se me tivesse sido dada a chance de escolher como seriam nossos últimos momentos juntos, eu pediria exatamente do jeito que foi. E a isso serei eternamente grata. Nestes 365 dias tive certeza de que nada é mais verdadeiro do que o clichê de que devemos viver cada segundo como se fosse o último”, escreveu.

Ao finalizar a homenagem, a apresentadora ressaltou que o maior consolo depois da morte do marido foi justamente não não ter perdido os bons momentos ao lado dele.

“Não há um só dia em que eu não ouça a voz dele me ensinando, me amparando, me dizendo: ‘Veruska Seibel (era assim que ele me chamava quando queria falar sério), eu não me preocupo com as meninas quando eu não estiver mais aqui porque você é a melhor mãe que eu já conheci’. Muito obrigada, Ricardo Boechat, por tanto amor e por essas duas princesas que são a razão da minha vida”, finalizou.

Leiliane da Silva vai fazer uma cirurgia, que vai tratar a Malformação Arteriovenosa (MAV), uma doença rara

Histórias e bastidores são narrados por 32 colegas que trabalharam, conviveram, sofreram e se divertiram com o jornalista

A novidade deverá ir ao ar entre 9h e 11h da manhã, antecedendo o Jogo Aberto

Nos estúdios, o apresentador não conseguiu segurar as lágrimas e foi consolado pela colega

O jornalista Ricardo Boechat morreu aos 66 anos em um acidente de helicóptero na tarde de uma segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019. A aeronave fez um pouso de emergência e foi atingida por um caminhão no Rodoanel, na região norte da cidade de São Paulo. Além dele, o piloto Ronaldo Quattrucci, que comandava o voo, também faleceu.

Âncora da Band News, ele havia apresentado o seu programa matinal na emissora de rádio antes de embarcar no helicóptero rumo a Campinas. Na cidade do interior paulista, ele participou de um evento de uma empresa farmacêutica. Na hora do acidente, ele se dirigia ao trabalho.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a aeronave teve problemas e precisou fazer um pouso forçado. Nesse momento, ela foi atingida por um caminhão que trafegava pela via, no sentido interior, próximo à praça do pedágio.

A explosão foi registrada em fotos e vídeos no local. “O caminhão não teve tempo hábil de parar“, contou à época o capitão Paiva, da Polícia Militar de São Paulo, que coordenou os trabalhos no local do acidente.

Ricardo Boechat era apresentador do Jornal da Band e da Rádio BandNews FM, além de colunista da revista IstoÉ. Ele trabalhou nos jornais O Globo, O Dia, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil.

Na década de 1990, fazia coluna diária no Bom Dia Brasil, da TV Globo, e trabalhou no Jornal da Globo. Foi ainda diretor de jornalismo da Band e teve passagem pelo SBT.

Ao longo da carreira, ganhou três vezes o prêmio Esso e foi o único jornalista a vencer em três categorias o Prêmio Comunique-se (Âncora de Rádio, Colunista de Notícia e Âncora de TV).

Um ano sem ele e minha admiração, meu respeito e meu amor só crescem. Melhor pai que eu poderia ter escolhido para as minhas filhas, ser humano mais admirável e generoso que já conheci, jornalista insubstituível, marido que eu amava profundamente. Se me tivesse sido dada a chance de escolher como seriam nossos últimos momentos juntos, eu pediria exatamente do jeito que foi. E a isso serei eternamente grata. Nestes 365 dias tive certeza de que nada é mais verdadeiro do que o clichê de que devemos viver cada segundo como se fosse o último. Não deixe para amar depois, não deixe pra ser feliz depois. Meu maior consolo foi eu não ter deixado. Não há um só dia em que eu não ouça a voz dele me ensinando, me amparando, me dizendo: “Veruska Seibel (era assim que ele me chamava quando queria falar sério), eu não me preocupo com as meninas quando eu não estiver mais aqui porque você é a melhor mãe que eu já conheci.' Muito obrigada, Ricardo Boechat, por tanto amor e por essas duas princesas que são a razão da minha vida. ❤️❤️❤️❤️

A post shared by Veruska Seibel Boechat (@doceveruska) on Feb 11, 2020 at 2:43am PST



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE